quinta-feira, 20 de junho de 2013

Marcio Fonseca entrevista Gisele Camargo



Jovem, talentosa e premiada pintoea Gisele Camargo, discute a paisagem em sua obra. A artista vive e trabalha no Rio de Janeiro, onde é representada pela Galeria Luciana Caravello Are Contemporânea. Em São Paulo pela Galeria Oscar Cruz. Gisele foi indicado para o Prêmio Pipa 2012 e 2013. Obrigado Gisele.








Quem é Gisele Camargo?

Sou carioca, nascida em 1970, morei no bairro do Flamengo toda a minha juventude, me mudando aos 29 anos para o bairro da Urca, aonde ainda possuo atelier. Fiz todos meus estudos no colégio Sion em Laranjeiras e assim que acabei o colégio fiz cursos livres na Escola de Artes Visuais do Parque Lage durante um ano, engrenando no ano seguinte 2001 na EBA, Escola de Belas Artes da UFRJ


Como a Arte entrou em sua vida?
A arte entrou na minha vida de uma forma muito simples, as vezes conto esse causo...
eu dormi durante toda minha infância em um quarto que dividia com a minha avó, eram duas camas, e na parede da minha cabeceira tinha uma reprodução de um quadro do Renoir, eu era fascinada pelo clima do jardim pintado "atrás" de duas figuras uma mulher e uma criança...eu viajava naquele jardim...passava muito tempo olhando....fui crescendo e sempre me dediquei muito ao desenho e pintura no colégio, em um certo momento me vi pensando muito sobre a importância daquele jardim, como uma pintura tinha capacidade de afetar tanto, eram pensamentos um pouco vagos para uma quase adolescente, mas foram suficientes para que eu nunca tivesse duvida do que queria fazer na vida.

Como foi sua formação artística?
Fiz Parque Lage, EBA UFRJ, estudei filosofia com o professor Claudio Ulpiano durante quatro anos e trabalhei como assistente da Artista Plástica Beth Jobim por nove anos.

Como você descreve sua obra?
Meu trabalho é pintura essencialmente, trabalho com tintas, esmalte sintético, óleo e acrílica. Acho a pintura um meio inesgotável, algo para toda existência do ser humano na terra.
Tenho a paisagem como tema, desde a faculdade descobri, que o que mais me fascina é a relação do homem com o espaço que ocupa e contempla, acho que os artistas durante todos esses séculos vem inventado, reinventando essa paisagem, dando corpo, apresentando elementos e criando a atmosfera do seu tempo, então, a minha busca é essa...
Ando na contra mão dessa leitura caótica do mundo que é uma coisa que acontece na pintura atual mundial, não trabalho com muitas cores e superposições de elementos...escolho, através de um processo lentíssimo cada elemento que colocarei na tela e a cor sempre entra solitária em cada trabalho. Mas o trabalho sempre muda e as questões caminham e isso é que é bacana.
Que artistas influenciam seu pensamento?
Essa pergunta é muito complicada. É muita gente. Muitas alianças de pensamento..
No inicio, como estudo, fiz muitas cópias , antes de me deparar com o caos da paisagem ao ar livre.
Castagneto, Parreiras e vários pintores viajantes foram figuras constantes durante uns bons anos na minha vida.
Depois fui entrando em contato com o expressionismo abstrato e fiquei alguns anos me dedicando a estudar aquele pessoal, incorporei várias coisas principalmente do Rothko que adorava e adoro, depois Kiefer, Odilon Redon, Pedro Figari, é uma galera. Hoje em dia, existem vários artistas na pintura e fora dela que me fazem brilhar os olhos, a influencia vem naturalmente,porque já sabendo o que se quer as alianças são mais naturais e calmas, pelo menos comigo, vou citar um que amo e que não é pintor..James Turrell..eu queria ser James Turell, rsrsrrs







Qual foi sua exposição mais importante?Isso pra mim não existe...todas foram importantes e difíceis, expor é um compromisso danado, e cada exposição é o máximo que posso fazer naquele momento, então não tem como dizer qual mais importante.

É possível viver de arte no Brasil?
Viver de arte no Brasil é uma coisa doida, acho que é a melhor resposta.
Parece uma montanha russa, não é fácil, e digo mais , acaba fazendo uma triagem de quem quer encarar a vida de artista.
muita gente não aguenta, e ter vários trabalhos e ainda ser artista é bem difícil.
Tenho 42 anos e vivo há dois anos e meio só do meu trabalho, antes trabalhava de assistente e fazia alguns outros trabalhos para me manter, isso sendo uma pessoa que nunca teve duvidas e que toda formação foi voltada pra arte.
mas....o mercado anda animado, isso ajuda..

Rio de Janeiro ou São Paulo, alguma preferência?
Rio Janeiro...sou carioquíssima!

A mulher e o homem estão em igualdade no mercado de arte?
A mulher e o homem não estão em igualdade nunca, por que seria diferente no mercado de arte? Eu não sinto muito isso na pele,mas rola.
Caminho longo que nunca chega esse da igualdade.

O que é necessário para um artista ser representado por uma galeria?
Vejo péssimos artistas em "ótimas" galerias..claro, tenho minhas opiniões .....
o mercado aceita o que é bom, o que não é, mas o quesito mais importante é o que vende,e ai...é um mundo imenso de possibilidades...


Qual sua opinião sobre os salões de arte, alguma sugestão para aprimorá-los?
Acho os salões bacanas, acho que é um caminho possível,
Fiz alguns na minha vida.
Acho que são pão duros, deveriam pagar transporte de ida e volta da obra e dar um pró labore pro artista mesmo que ele não ganhe. É uma forma de começar a mostrar o trabalho, isso sempre é legal, o inicio é muito difícil e sempre de muito investimento..apesar que o investimento é pra sempre.

Quais são seus planos futuros?
Continuar pintando, sempre.


Obras.











Nenhum comentário:

Postar um comentário