sexta-feira, 24 de maio de 2013

Marcio Fonseca entrevista Silvio Crisóstomo.







Quem é Silvio Crisóstomo?
Sou alagoano, tenho 40 anos e morei em São Paulo até os 39 anos, hoje vivo em Curitiba.
Trabalhei em muitas coisas até a minha profissionalização como artista visual que utiliza a fotografia como plataforma de trabalho.
Sou fotografo em pensamento e ação há 20 anos. Sempre me interessei por artes visuais: as plásticas e o cinema. Sou autodidata na arte. Estudei design e jornalismo, mas não me formei.


Como a Fotografia entrou em sua vida?
Eu sou cria de culturas visuais: artes plásticas, design, arquitetura e cinema. A fotografia veio na mistura de tudo isso. Na fotografia admiro Andreas Gursky e Thomas Farkas. Mas é nas artes plásticas e no cinema que estão as minhas referencias mais profundas: Nicolas de Stael, Monet, Yvens Klein, entre outros na pintura e no cinema, Bertolucci, Vittorio Storaro, Spielberg, entre outros.


Como foi sua formação fotográfica?
Sou autoditada. Sou observador das formas, dos volumes, das cores e dos movimentos que permeiam o urbano.
Minha fotografia não é a reprodução da realidade, portanto, não tenho preocupação alguma com padrões fotográficos. Eu não crio cores, formas e volumes, eles já estão lá, eu apenas dou a minha visão aquilo que ninguém vê.

Quais são os assuntos discutidos em sua obra?
Arquitetura e suas linhas essências, a pintura em suas diversas formas, o minimalismo, o ponto de fuga, a linha dentro de um ambiente urbano, o caos urbano reconstruído entre outros assuntos que podem ser abordados no meu trabalho.


Que artistas influenciam seu pensamento?
Diretamente nenhum. Mas, pessoas ( professores de arte, intelectuais, artista, fotógrafos, escritores, etc) que acompanham desde o inicio o meu trabalho, indicam referências diretas a Stael, Rothko, Monet entre outros, dentro das artes plásticas. Já na fotografia, Thomas Gursky e Farkas. Não sou um pesquisador, trabalho mais com a intuição, dificilmente vejo obras, exposições, livros, etc, de fotógrafos, principalmente quando sei que o trabalho tem algo a ver com o meu. Estou mais nas artes plásticas e cinema do que na fotografia.



Que material você utiliza para realizar seu trabalho?
Câmeras digitais Nikon


Qual sua opinião sobre uso do fotoshop?
Eu sou um artista visual, como disse na resposta anterior, não tenho compromisso com a realidade e sim uma leitura particular da mesma. Eu uso editor de imagens em todas as minhas fotos. Não uso flash em hipótese alguma. A minha fotografia é bem saturada e em alto contraste, e por isso, a edição é primordial para mim. Tenho muitas séries dentro do meu trabalho, muitas visões de um todo. A liberdade de criação é fundamental.



Você se considera fotógrafo ou artista?
Um artista, que utiliza a plataforma fotografia para apresentação do trabalho.


Existe instalação em fotografia?
Se eu entendi a sua pergunta, eu ainda não vi nenhuma até agora. As exposições fotográficas em grande maioria são em formato tradicional ( quadro na parede e em sequência) e, na minha opinião ou melhor, em muitos casos, essa formula não interage com as pessoas. Acho que isso vai muito além da falta de dinheiro, acho que é um pensamento muito tradicionalista, purista. A fotografia pela fotografia é importante, claro. Mas, a mensagem , o impacto que pode ser causado ao espectador também é importante.


É possível viver de Arte no Brasil?
Se a sua arte virar produto para consumo, sim. Se o trabalho for apenas para galerias, é muito difícil.


Fotografias ultrapassam os US$ 3.00.000,00 em leilões internacionais, qual o significado dessa procura pela mídia?
O crescimento do mercado de arte, se apoio em novos artistas e a fotografia não ficou de fora.
Além disso, há uma clara demanda de fotografias para o mercado de decoração em todo o mundo. A valorização da fotografia passa por esse fatores, eu acredito.


Quais são seus planos futuros?
Meu desejo e objetivo como artista visual é trabalhar com várias plataformas: fotografia, vídeo, instalações e cinema. A fotografia me recria todos os dias. Quero virar tudo o que eu puder.

Algumas fotos/poesias:



































Registro o agradecimento à artista e curadora Marcia Zoé Ramos sua colaboração para execução dessa entrevista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário