quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Marcio Fonseca entrevista Ivan Grilo



Ivan Grilo jovem artista paulista representado pela excelente galeria carioca Luciana Caravello.



Fale algo sobre sua vida pessoal.

Nasci em 1986, na cidade de Itatiba, interior de São Paulo. Sou graduado em Arte Visuais pela PUC-Campinas. Meu pai é comerciante, minha mãe sempre trabalhou como secretária.




Como foi sua formação artística?

Diferente da maioria dos artistas, nunca desenhei enquanto criança, e por isso nunca me imaginei sendo artista. Acabei me interessando por Artes Visuais quando já estava na graduação. E só hoje consigo perceber que era algo que me perseguia desde a infância, não na forma tradicional como pintura/desenho/escultura, mas numa pesquisa material, que trago comigo desde as primeira lembranças. Creio que minha formação mais técnica se deu muito em decorrência da graduação, e pelo acompanhamento de grandes profissionais como a artista Paula Almozara, e agora mais recentemente pelo contato em atelier com o Marcelo Moscheta.




Que artistas influenciam seu pensamento?

Troco minha lista de influências quase que diariamente, mas vou citar alguns que costumam permanecer nela: Marcius Galan, Detanico/Lain, Marcelo Moscheta, Brígida Baltar...




Como você descreve sua obra?

Creio que minha pesquisa seja quase que totalmente focada em fotografia, mais especificamente em fotografia de acervo. Trabalho muito sobre a ideia da fragilidade, da delicadeza, do esquecimento; sempre buscando aliar o interesse fotográfico a uma pesquisa de materiais. Hoje, junto da fotografia começa a aparecer uma pesquisa em torno das significações, dando margem ao aparecimento de vocábulos da língua portuguesa inscritos nos trabalhos.




Que exposição sua, você considera a mais importante?

Creio que a individual "Ninguém", que mostrei em 2011 na Temporada de Projetos do Paço das Artes (SP), seja uma das mais importantes, não só pela visibilidade que deu ao meu trabalho, mas principalmente pela experiência do debate que precedeu a montagem, e pela oportunidade de reunir parte da minha pesquisa dos anos que precederam a exposição.




Como você descreve o mercado de arte em São Paulo?

Mesmo sendo paulista e tendo obras em coleções em São Paulo, não tenho muito conhecimento para dizer sobre o mercado daqui. Trabalho há quase um ano com uma galeria carioca, a Luciana Caravello Arte Contemporânea, e acabo me orientando muito mais pelo mercado do Rio do que de São Paulo.




O que é necessário para um jovem artista ser representado por uma galeria?

Não tenho muita propriedade para falar disso, mas creio que o artista deva focar somente no seu trabalho, fazendo com que ele cresça e fique maduro, a representação de uma galeria acaba sendo uma consequência quando o artista desenvolve um bom trabalho.




Além dos estudos sobre arte que outros estímulos influenciam em seu trabalho?

Meu trabalho hoje está bem focado em esquecimento, em tudo que deixamos pra trás, então de certa forma, as cenas cotidianas mais banais acabam invadindo minha produção. Também tenho me influenciado muito pela literatura portuguesa. Acabo de finalizar uma série de trabalhos inspirados num livro chamado "A máquina de fazer espanhóis", do angolano radicado em Portugal, Walter Hugo Mãe.




Você tem uma rotina de trabalho?

Atualmente, moro e trabalho no mesmo espaço, minha casa/atelier, o que facilita muito na imersão no trabalho. Mas minha pesquisa sempre acontece em duas etapas distintas. Como costumo trabalhar com imagens vindas de acervos (da caixa de fotografias de famílias a acervos museológicos), essa pesquisa torna-se algo esporádico pela dificuldade de imersão. Já a pesquisa de materiais é um processo quase diário, uma rotina de ateliê. Assim, costumo pensar o ateliê como laboratório, testando e procurando funções para todo e qualquer material que passe por lá. Essa pesquisa, que costuma ser descompromissada, me fornece simples anotações e protótipos rasos. Curioso pensar que as considero como duas pesquisas distintas, realizadas em dois tempos completamente díspares, mas que num terceiro momento se cruzam e acabam se tornando um só processo indissociável, no qual nem mesmo é possível definir o que é suporte e o que é imagem.




O que você pensa sobre os Salões de Arte? Alguma sugestões para aperfeiçoá-los?

Creio que os salões e editais tenham sido um grande impulso para minha produção. Ainda na graduação já formatava projetos para editais, me forçando a refinar o nível da apresentação dos trabalhos, e me fazendo refletir sobre a produção em si. Creio que ainda existam salões com editais desatualizados, que mais atrapalham do que ajudam os artistas, mas temos grandes exemplos de editais bem sucedidos dos quais já tive o prazer de participar, como o Arte Pará, o Salão de Abril, os Novíssimos do Ibeu, o Salão de Ribeirão Preto, dentre outros.






É possível viver de Arte no Brasil?

Hoje gozamos de uma situação econômica muito boa no país, e isso reflete no mercado de artes. É um momento muito favorável para jovens artistas: galerias buscando novos nomes, novos colecionadores surgindo, feiras de arte se fortalecendo, e por aí vai. Obviamente é necessário trabalhar muito duro para conseguir um lugar ao sol, mas com foco e uma economia favorável, tudo fica mais fácil.




Quais são seus planos para o futuro?


Quero focar cada vez mais em minha produção e conseguir passar mais tempo em meu atelier. Todo o resto há de ser consequência desse trabalho.







Outra Frase.







Ninguém Gosta de Perder.







Quase Paisagem.







Comumunião.



Currículo

Exposições individuais:
2011 NINGUÉM / Paço das Artes – São Paulo/SP

2011 PERDER O AMOR / Galeria Vertente – Campinas/SP

2011 SUJEITO OCULTO / Galeria Homero Massena – Vitória/ES
2011 A PAUSA DO RETRATO / Usina do Gasômetro | Galeria Lunara – Porto Alegre/RS
2010 DESVANECER / Galeria de Arte da PUC – Campinas/SP

2009 IRREVERSÍVEL / Centro Cultural Adamastor – Guarulhos/SP
Exposições coletivas
2011 Arte Pará / Museu Histórico do Estado do Pará – Belém/PA

2011 16a Bienal de Cerveira / Vila Nova de Cerveira – Portugal
2011 Fronteiriços / Galeria Luciana Caravello . Curadoria Daniela Name

2011 Novíssimos / Galeria IBEU – Rio de Janeiro/RJ
2011 14a Semana de Fotografia – MARP / Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
2011 5a Mostra Coletiva Pequenos Formatos Atelier Subterrânea / Atelier Subterrânea – Porto Alegre/RS
2010 35o SARP – Salão de Arte de Ribeirão Preto / MARP – Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi
2010 5a Bienal de Gravura de Santo André / Salão de Exposições do Paço Municipal – Santo André/SP
2010 XI Festival do Instituto de Artes da Unicamp / Galeria de Arte da Unicamp – Campinas/SP

2010 Salão de Artes Visuais de Vinhedo / Espaço Cultural – Sec. de Cultura de Vinhedo/SP
2008 7o Salão Nacional de Arte de Jataí / Museu de Arte Contemporânea – Jataí/GO

2008 14o Salão Unama de Pequenos Formatos / Galeria Graça Landeira – UNAMA – Belém/PA
2008 8o Salão de Artes Visuais de Guarulhos / Centro Cultural Adamastor- Guarulhos/SP
2007 39o Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba / Pinacoteca Municipal Miguel Dutra – Piracicaba/SP
2007 Festival de Vídeo Acadêmico Lisboa / Portugal / Universidade Autónoma de Lisboa

2007 XXIV Salão Limeirense de Arte Contemporânea / Palacete Levy – Limeira/SP

2007 Salão de Artes Plásticas de São José do Rio Preto
2007 / Sala de Exposições SWIFT – São José do Rio Preto/SP
2007 Mostra Coletiva da Graduação em Artes Visuais da PUCC / MIS – Museu da Imagem e do Som de Campinas/SP

Prêmios:
2010 Prêmio Aquisição / Salão de Artes Visuais de Vinhedo/SP
2008 Prêmio Aquisição / 14o Salão Unama de Pequenos Formatos – Belém/PA
2008 Premiação do Júri / 8o Salão de Artes Visuais de Guarulhos
2007 Pequena Medalha de Ouro / Salão de Artes Plásticas de São José do Rio Preto
2007 2005 Medalha de Ouro – 1o lugar / 4o Salão Universitário de Artes da PUC-Campinas
2004 Medalha de Bronze – 3o lugar / 3o Salão Universitário de Artes da PUC-CampinasObras em coleções públicas:
Fundação Bienal de Cerveira – Portugal
Galeria Graça Landeira – UNAMA – Belém/PA
Galeria Homero Massena – Vitória/ES
Acervo Artístico Prefeitura de Vinhedo/SP
Coleção da Prefeitura de São José do Rio Preto/SP
Coleção da Secretaria de Cultura de Guaruhos/SP








Exposição na Rússia com artistas brasileiros e russos.









Coletiva na Luciana Caravello. Exposição 2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário