terça-feira, 7 de agosto de 2012

Marcio Fonseca entrevista Carlos, Mélo


Carlos Mélo (1969-) Nasceu em Rio das Almas, Pernambuco. Utiliza-se de desenhos, fotografias e performance para discutir a relação do corpo no mundo. Vive e trabalha em Recife, Pernambuco. Inaugura hoje, exposição individual, na Galeria Marsiaj, RJ.


Como foi sua formação artística?
Estudei desenho e pintura no curso de extençao da UFPE, Suportes Alternativos e História da Arte no IAC ( Instituto de Arte Contemporânea da UFPE ). Asism como, workshops com vários artistas como Paulo Brusky, Jean Stern e Penelope Verli na Fundação Joaquim Nabuco em Recife.


Que artistas influenciam seu pensamento?
Lygia Clark, Marina Abramovic, Helena Almeida, Albuquerque Mendes e Bas Jan Ander.


Como você descreve sua obra?
Meu trabalho tem como estrutura o corpo e o contorcionismo semântico como dobradiça das ações deste corpo; e a passagem dele pelo mundo. A fotografia, por exemplo, é uma espécie de pós performance, assim como o vídeo e o desenho são ativados pela experiência sensível, ou seja, são ações do corpo feitas para serem registradas.



Fotografia, instalações e performance alguma preferência? Como elas se integram?
Há trabalhos que se resolvem com desenho, outros com performance etc. Penso que é importante nos instrumentalizarmos para criarmos plataformas de ações eficientes para os assuntos, as experiências e a poética. Me sinto cada vez mais promíscuo quanto a preferências, desde as questões a serem tratadas na obra assim como os suportes.


Que comentário você poderia fazer sobre sua participação no prêmio PIPA e o prêmio recebido SESI Marco Antonio Vilaça?
No Prêmio Marcantonio Vilaça tive a oportunidade de ter a orientação de Suely Rolnik, que me propôs um aprofundamento e mergulho no meu trabalho e, sem dúvida, foi um marco na minha trajetória. O Pipa me fez atualizar e contextualizar a presença do meu trabalho na cena contemporânea do país.


É possível viver de arte no Brasil?
Vivo de arte, incialmente através de prêmios, editais e concursos, hoje, de forma mais contínua no mercado, com as galerias, os cursos e oficinas. O mercado tem se sofisticado, isto é, tem aberto vários campos de ação para o artista.


Qual a situação da arte contemporânea em Recife?
Penso que Recife está vivendo um momento dificil, árido e complicado. A cidade já respirou melhor. Agora a sensação é de um período de silêncio. Porém, estamos todos atentos aos barulhos e ruídos que virão.


Além dos estudos sobre arte que outros estímulos influenciam em seu trabalho?
Ativar a sensibilidade, mantendo a percepçao ativa e a cada dia nutrindo uma relaçao com a vida, com o mundo, transformando atraves da arte minhas experiencias pessoais em simbolos unviersais. hoje me interesso mais pelo processo do que pelo resultado final.

Você participará de uma exposição na Galeria Laura Marsiaj, no Rio de Janeiro, o que representa para sua carreira?Esta segunda exposição na galeria Laura Marsiaj - a primeira individual foi em 2009 - tem sido uma experiencia incrível de vivência da cidade. Os trabalhos foram todos produzidos aqui no Rio e isto faz toda diferenca quando se tem um trabalho cujo estimulo é o processo, o estado e a permanência.

Você tem uma rotina de trabalho?
Sim. sou super diciplinado mas completamente suceptivel, sou capaz de passar horas trabalhando mas tambem facilmente depreendido.

Quais são seus planos para o futuro?
Continuar concentrado no alcance internacional do meu trabalho - como a exposição Blind Field na Universidade de Ilinois em 2013 - chegar cada vez mais perto das pessoas e reunir um material para uma publicação de quase vinte anos de trabalho.







Sem título, da Série Abismo, 2007-2008. Grafite sobre papel. 90x70 cm. Prêmio Marcantonio Vilaça.













Performance.







Estado e Permanência, 2009. Fotografia 194x200 cm.







Véspera, 2004.





Sem título da Série P.E.S (projeto da experiência sensível), 2009.







A Experiência Sensível, 2010. Fotografia metacrilato. 100x90 cm.











“Aproximando imagens e palavras, o artista fez convergir, por vezes, fotografias do seu corpo em situações de interacção com a paisagem e diagramas conceptuais que o sugerem como matéria em fluxo, definido sempre de modo transiente e relacional. São trabalhos“Aproximando imagens e palavras, o artista fez convergir, por vezes, fotografias do seu corpo em situações de interacção com a paisagem e diagramas conceptuais que o sugerem com matéria em fluxo, definido sempre de modo transiente e relacional. São trabalhos que buscam dissolver a mterialidade do corpo nos lugares onde realiza acções – confundindo carne e espaço – e, por meio do “contorcionismo semântico” que faz, transformá-lo também em conceito.” Com várias formações e pesquisas no ramo que buscam dissolver a materialidade do corpo nos lugares onde realiza acções – confundindo carne e espaço – e, por meio do “contorcionismo semântico” que faz, transformá-lo também em conceito.” Texto do crítico e curador Moacir dos Anjos
.


Exposições Individuais
2012
"Carlos Melo", Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro - RJ>
2011
“Carlos Mélo”, Galeria Moura Marsiaj, São Paulo – SP
2010
“ocorpobarroco”, Casa da Ribeira, Natal – RN
“Entre-Campos”, Galeria 3+1 – Lisbon – PT
“Experiência Sensível”, Galeria Mariana Moura, Recife -PE
2009
“A cura”, Galeria Laura Marsiaj, Rio de Janeiro – RJ
2008
“ONDAS: corpo sensível/lugar profundo: ONDAS”, Galeria Mariana Moura, Recife – PE
2006/7
“Véspera”, Salão de Artes Plásticas de Pernambuco – MAC, Recife – PE
2005
“Documento”, Galeria Mariana Moura, Recife – PE
2004
“Terreno”, Paço das Artes, São Paulo – SP
2003
“Carnos”, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM, Recife – PE
2002
“Zone”, Instituto de Arte Contemporânea da UFPE, Recife – PE
2001
“O Lugar do Corpo”, Centro Cultural São Francisco, João Pessoa – PB
2000
“Nômeno”, Galeria Vicente do Rego Monteiro – Fundação Joaquim Nabuco, Recife – PE
1998
“Ausência em Pequeno Formato”, Galeria Pequeno Formato, UFPE, Recife – PE
1997
“Carlos Melo – Desenhos e Colagens”, Instituto de Arte Contemporânea da UFPE, Recife – PE
Exposições Coletivas.
2011
“Extranatureza” – Revista Select – SP Arte – São Paulo
2010
“Pieces end Parts” – Plataforma Revólver – Lisbon – PT
“REC»GRU« “, Atelier 397, São Paulo – SP
“Sujeito:Corpo”, SESC Pinheiros, São Paulo – SP
“Contido não Contido”, MAMAM – Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – Recife – PE
2009
“Cartas e Trajetos”, Centro Cultural Usiminas, Joao Pessoa – PB
2008/2009
“Nova Arte Nova”, CCBB – Rio de Janeiro – RJ, CCBB – São Paulo – SP
2008
“Futuro do Presente”, Itaú Cultural, São Paulo – SP
2007
“Novas Aquisições”, 2006-2007 – Coleção Gilberto Chateaubriand, Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM, Rio de Janeiro – RJ
2006/07
“Coleção do MAMAM”, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife – PE
2006
“Geração da Virada 10+1: Anos Recentes da Arte Brasileira”, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo – SP
XII Salão UNAMA de Pequenos Formatos, Galeria de Arte Graça Landeira, Belém
“É HOJE na Arte Brasileira Contemporânea”, Santander Cultural, Porto Alegre
XII Salão de Arte da Bahia, Museu de Arte Moderna da Bahia – MAM, Bahia
2005
“Territórios Transitórios”, Paris, Paris – France
“Verbo”, Galeria Vermelho, São Paulo – SP
“O Corpo na Arte Contemporânea Brasileira”, Itaú Cultural, São Paulo
2004
“Tudo Aquilo que Escapa”, MEPE, Recife – PE
II Bienal do Desenho de João Pessoa, João Pessoa – PB
2003
“Latinidades – Repentes Visuais”, SESC, São Paulo – SP
60º Salão de Arte do Paraná, MAC, Curitiba – PR
“Experimental”, Centro Cultural Dragão do Mar, Fortaleza – CE
III Salão Nacional de Arte de Goiás, Goiânia – Go
2002
IX Salão de Arte da Bahia, Museu de Arte Moderna da Bahia – MAM, Bahia
II Salão Nacional de Arte de Goiás, Goiânia – GO
“Arte: Sistema e Redes”, Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza – CE
“Nômeno: Souvenir do Algo” – Projeto Prima Obra, FUNARTE, Brasília – DF
“Rumos da Nova Arte Contemporânea Brasileira”, Fundação Clóvis Salgado – Palácio das Artes, Belo Horizonte – MG
“Arte: Sistema e Redes”, Itaú Cultural, São Paulo – SP
“Artistas de Pernambuco Brasil”, Fundação da Juventude, Porto, Portugal
VII Salão de Arte do Pará, Belém – PA
2001/02
Projeto Rumos Itaú Cultural Artes Visuais, São Paulo – SP
2000
“Permanências e Rupturas”, Torre Malakoff, Recife – PE
1999
Projeto Rumos Visuais, Itaú Cultural, São Paulo – SP
“Arte Contemporânea [2000-1]“, Pernambuco, MAMAM- Recife, Recife – PE
“Arte Contemporânea [2000-1]“, Pernambuco, MAM- Bahia, Bahia – BA
Salão de Novos Talentos da Arte Pernambucana, MAC, Olinda – PE
1998
V Salão de Arte MAM, MAM, Bahia – BA
“Arte Contemporânea”, Galeria de Pequeno Formato – UFPE, Recife – PE
Prêmios
2010
Prêmio Brasil Arte Contemporanea – “Mostras de Artistas no Exterior” – São Paulo Biennial
2008
Selected among the 10 projects of Brazilian artists chosen to be featured on the website of the Fundaçao Ibere Camargo – Porto Alegre – RS.
2006
II Prêmio CNI SESI Marcantonio Vilaça for Visual Arts.
Acquisition prize at XII Salão UNAMA de Pequenos Formatos, Belém.
2005
Scholarship Research Prize at XLVII Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, Olinda.
2003
Acquisition Prize at III Salão de Artes de Goiás, Goiânia.
2002
Acquisition Prize at IX Salão de Arte da Bahia, Salvador.
1999
Acquisition Prize Salão de Novos Talentos da Arte Pernambucana, Olinda.
Artistic Residency
2010
Home end Abroad – Triangle Art Trust – Sintra – Portugal





http://www.iberecamargo.org.br/site/revista-lugares/default.

http://www.pipaprize.com/pag/artists/carlos-melo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário