domingo, 15 de julho de 2012

Marcio Fonseca entrevista Marylu Melo.


Marylu Melo diante de uma de suas pinturas.

Marylu nascida em Fortaleza é pintora autodidata. Vive e trabalha em Florença e tem em seu currículo exposições em diferentes países europeus. Ao agradecer sua entrevista, fazemos votos para vê-la em breve no Brasil.


LA FELICITà NON è UNA META DI ARRIVO,
MA UN MODO DI VIAGGIARE.


MARYLU MELO


Marylu, conte um pouco sobre sua vida pessoal
Sou neta de Juiz de Direito, de fazendeiros do setor de gado de leite e carnaúba e filha de comerciantes da área da cosmética e beleza. Nasci em Fortaleza e fui criada no bairro da Aldeota, onde vivi em um dos belos casarões da Avenida Barão de Studart. Sempre estudei em colégio de freiras, e recebi uma educação rígida e religiosa.


Como a Arte entrou em sua vida?
De 1997 a 2001 residi em Toronto - Canadá, devido aos estudos dos meus dois filhos. Naquele período tive a possibilidade de assimilar a harmônica diversidade étnica existente no País. Após anos de experiência de vida em terras Canadenses, mudei-me para a Europa, com a determinação de vivenciar in loco a bela cultura do velho mundo. Eu acho que nessa ocasião, na junção do novo com o velho, a arte tenha aflorado em minha vida.

Qual foi sua formação artística?
Sou uma artista autodidata e não possuo nenhuma formação acadêmica. Minha carreira não nasceu pelo impulso condicionado a partir do estudo sistemático de grandes mestres, mas da necessidade de expressar-me de maneira absolutamente livre. Utilizo materiais próximos do cotidiano como tela, madeira, papel, entre outros.

Que artistas influenciam seu pensamento?
Nenhum. O meu cotidiano, o meu dia a dia, o contato com as pessoas, os sentimentos, as cores, a natureza, os lugares por onde eu passo durante as minhas viagens, influenciam o meu pensamento, e consequentemente as minhas pinturas.

Você escreve sobre seu trabalho?
Não. Cada tela minha fala por si.

Você vive e trabalha em Florença, qual a importância disso em seu trabalho?
Florença é cidade de arte, onde a beleza está em casa - cerca de um décimo do patrimônio artístico nacional está concentrado aqui. Mas não existe nenhuma relação direta entre Florença e o meu trabalho.

Quais foram suas principais exposições?
A minha primeira exposição individual na Galeria Acaiaca de Curitiba foi muito importante.Outras coletivas que me marcaram muito foram: Museu do Louvre em Paris, Cultuurpark Westergasfabriek em Amsterdã e Françoise Calcagno Art Studio em Veneza, pois os convites foram feitos por curadores importantes.


Você tem planos de mostrar seu trabalho no Brasil?
Já fiz exposições em Curitiba e São Paulo, e para mim é sempre uma honra poder expor no meu País.


Qual a sua opinião da Bienal de Veneza?
A Bienal de Veneza é um importante fórum para a divulgação e discussão sobre o atual estado da arte, e uma oportunidade única à artistas emergentes convidados.


Quais são seus planos para o futuro?
Mais do que planos, eu tenho alguns desejos para o futuro. Principalmente igualdade para todos e menos hipocrisia no setor da arte.

O que você faz nas horas vagas?
Viajo muito com o meu marido e observo o mundo com um olhar crítico e maravilhado.















Nenhum comentário:

Postar um comentário